sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Conselhos Indígenas de Telhas e Queimadas enviam projeto para a Chamada Pública junto às Mulheres da Carteira Indígena

Os Conselhos Indígenas das aldeias de Telhas e Queimadas enviaram no último dia 20, projetos para concorrer à Chamada Pública junto às Mulheres Indígenas, promovida pela Carteira Indígena – CI. As mulheres e lideranças das duas comunidades se articularam, através de Assembléias e reuniões para deliberar quais propostas seriam enviadas para a Chamada.
Nas Assembléias foram discutidas propostas que levassem em consideração o que neste momento seria mais necessário para fortalecer a organização das mulheres nas duas aldeias. A partir deste imperativo, as mulheres de Telhas apontaram a necessidade de equipar a cozinha comunitária, tendo em vista que elas já estão produzindo alimentos para a CONAB, através do PAA, no entanto, o espaço improvisado onde produzem os alimentos não oferece estrutura adequada. Do mesmo modo, as mulheres de Queimadas também apontaram a mesma necessidade.


Reunião com as mulheres de Telhas
  
Com a promessa da FUNAI de construir as cozinhas comunitárias até dezembro deste ano, os Conselhos optaram por investir em equipamentos para melhorar a produção, bem como para diversificá-la. Caso o projeto seja aprovado, as mulheres das duas aldeias poderão produzir, além dos bolos que já fazem, doces, geléias, compotas, polpas de frutas entre outros produtos.
Além disso, a comunidade de Telhas destinou, no projeto, parte dos recursos para investir no artesanato indígena, atividade que, segundo elas, precisam ser incentivadas e apoiadas através da aquisição de ferramentas e cursos de capacitação.
Na comunidade de Queimadas, além do investimento na cozinha, foi destinado recursos para investir em meliponicultura, através de criação de abelhas jandaíra. Este investimento faz parte da consolidação do processo de transição agroecológica, tendo em vista que com a meliponicultura, pretende-se investir direta e indiretamente no fortalecimento dos sistemas agroflorestais.

Reunião na aldeia Queimadas
Outro fator importantíssimo presente nos dois projetos é o apoio a organização e ao fortalecimento institucional dos Conselhos Indígenas. Parte dos recursos será destinada para equipar a sede dos Conselhos com equipamentos de informática e móveis. Além disso, as mulheres indígenas serão capacitadas para fazer em gestão de projetos e economia solidária. Com isso, pretende-se fortalecer o protagonismo e a autonomia das comunidades indígenas de Acaraú.
As duas aldeias contaram com a assessoria dos técnicos Tiago Silva e Ronaldo Santiago, desde as discussões, na facilitação das reuniões e assembléias, até a elaboração dos projetos.