quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Carteira Indígena divulga projetos para mulheres

Para nossa imensa satisfação, os dois projetos enviados pelos Conselhos Indígenas de Queimadas e Telhas foram habilitados para apróxima fase. Agora estamos torcendo para que ele seja aprovado.
Segue a notícia no site do MMA:

12/11/2010

A Carteira Indígena (CI) vai investir R$ 1 milhão nos 65 projetos escolhidos no edital voltado às mulheres. Foram aprovados projetos de todas as regiões do país com objetivo de promover a segurança alimentar e nutricional e incentivar a gestão territorial e ambiental das terras indígenas brasileiras. A CI publicou os projetos habilitados no sítio eletrônico do Ministério do Meio Ambiente.
Esta foi a primeira chamada pública da Carteira Indígena direcionada às mulheres e vai atender populações de 18 estados. A iniciativa atende a um dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio das Nações Unidas ao promover a autonomia das mulheres. Os projetos promovem o manejo tradicional e o uso sustentável da biodiversidade das terras indígenas.
Nos territórios indígenas, as mulheres conduzem projetos que envolvem toda a comunidade para melhorar a qualidade de vida, principalmente de crianças e jovens. Além disso, as organizações de mulheres indígenas atuam no desenvolvimento de iniciativas de combate à discriminação e à violência.
Com essa importância para a manutenção da tribo, a saúde das mulheres será uma das áreas de atuação dos projetos. Estudo da Fundação Nacional da Saúde aponta um quadro de crescimento de doenças como hipertensão e diabetes, altos índices de anemia, sobrepeso e obesidades, muitas vezes causadas pela alimentação inadequada.
De 19 de julho a 20 de outubro, a CI recebeu 158 propostas de projetos. Neste período, o MMA realizou uma série de audiências públicas para ajudar as organizações indígenas na elaboração das propostas.
Dentre os escolhidos estão a Associação Nymuendaju (AM), Conselho Povos Indígenas Tabajara Calabassa (CE) e Associação Indígena Tapuia do Carretão (RS). Mato Grosso é o estado com o maior número de projetos, com 11 aprovados, seguido por Mato Grosso do Sul (10).
A Carteira Indígena é coordenada pelos ministérios do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Fonte: ASCOM / MMA