sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Carteira Indígena: oficinas de projetos em Telhas e Queimadas

Apesar da correria das obrigações acadêmicas, o blog retoma as atividades em 2013 registrando a última atividade de 2012 realizada em Queimadas e Telhas. Entre os dias 26 e 28 de dezembro fui acompanhar Tiago em duas oficinas de elaboração de projetos, referentes ao projeto de mulheres da Carteira Indígena. As duas oficinas marcam o retorno do Tiago ao acompanhamento técnico dos projetos, aprovados ainda em 2010, pela Carteira Indígena/MMA.
Cleiciano iniciando a oficina
Minha presença ali, além de auxiliar no registro das atividades e revê-los após quase um ano, tinha como objetivo retomar os contatos com as comunidades visando a pesquisa de campo do mestrado. Tive a oportunidade de informá-los sobre o que estava fazendo e agendar com eles o período em que estarei realizando pesquisa na área.

As duas oficinas de elaboração de projetos sociais e tinham como objetivo familiarizar as lideranças indígenas, tanto mulheres quanto homens, com as ferramentas teóricas para a elaboração de projetos sociais, de modo que no futuro os próprios conselhos indígenas possam ser capazes de construir seus projetos, dando mais um passo para sua autonomia.
Como a carga horária das oficinas era pequena, Tiago planejou a atividade de modo que os participantes pudessem “aprender fazendo”. Neste sentido, foi escolhido um edital aberto voltado para as comunidades indígenas. Trata-se do Prêmio Culturas Indígenas do Ministério da Cultura.
Cartaz do prêmio pregado na parede da escola indígena de Queimadas
O objetivo então era trabalhar a construção de duas propostas de projetos a serem submetidas ao prêmio. Tomando como referência o edital, as duas aldeias puderam acompanhar a leitura de pontos importantes do documento, a explicação sobre o que se colocar em cada item do projeto e perguntar sobre pontos que eventualmente não eram compreendidos.
Momento da leitura do edital e posterior explicação
Explicando alguns pontos do projeto
Logo após este momento, foi aberta aos participantes das oficinas nas duas aldeias a discussão sobre quais seriam os objetivos e atividades dos projetos. Como o edital é voltado para a esfera cultural, as discussões giraram em torno da cultura Tremembé. Esta discussão foi muito importante por que nas duas aldeias foi apontada a necessidade de se fortalecer as práticas culturais e a memória social indígena através da documentação e monumentalização dos lugares importantes na história de cada comunidade. Durante o longo debate também foram rememoradas as práticas alimentares dos Tremembé e a utilização de certos vegetais (frutos, folhas e cascas) utilizados para a produção de alimentos e remédios caseiros.
Momento de discussão em Telhas
Construção do projeto com a juventude de Telhas
Depois de discutidas e elencadas as propostas, as comunidades escolheram a que consideraram mais significativa e imediatamente começaram a esboçar a construção dos projetos. Como não era possível concluir um projeto em apenas dois dias, as duas aldeias elegeram um grupo responsável pela finalização do projeto, ambos sendo acompanhados e orientados pelo Tiago, que se responsabilizou pela organização e sistematização dos dados finais. Na sexta-feira, dia 28, ainda foi servido um almoço delicioso, feito pelas mulheres de Telhas. Por volta das 17 horas a oficina foi encerrada.
Comidinha deliciosa!!!